segunda-feira, 30 de maio de 2016

Bom desempenho do agronegócio contribui para queda no déficit na Balança Comercial paulista, informa estudo do IEA


O Estado de São Paulo registrou, nos primeiros quatro meses de 2016, um deficit de US$2,11 bilhões na Balança Comercial, o que representou queda de 76,4% no déficit observado no primeiro quadrimestre do ano passado devido ao bom desempenho apresentado pelo agronegócio, que no mesmo período teve um superávit comercial de US$4,10 bilhões. As informações estão no último levantamento divulgado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA).

Com um resultado 37,6% superior ao obtido de janeiro a abril de 2015, o setor registrou exportações crescentes (+15,9%), atingindo US$5,60 bilhões, enquanto as importações caíram (-18,9%), somando US$1,50 bilhão. Em 2015, as exportações totalizaram US$4,83 bilhões e as importações, US$1,85 bilhão.

Conforme ressaltou o pesquisador do IEA, José Roberto Vicente, as importações paulistas nos demais setores, exclusive o agronegócio, somaram US$14,66 bilhões, e as exportações, US$8,45 bilhões, o que gerou um deficit externo da ordem de US$6,21 bilhões. “Assim, conclui-se que o deficit do comércio exterior paulista só não foi maior devido ao desempenho do agronegócio estadual, cujo saldo manteve-se positivo e crescente”, disse.

O estudo do IEA detectou ainda que uma maior participação do agronegócio no comércio exterior paulista, com um crescimento de 5,4 pontos percentuais nas exportações e de 1,2 ponto percentual nas importações.

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, os números divulgados pelo IEA comprovam a força da atividade no campo para a economia paulista. “Diante da crise econômica brasileira, a agricultura tem se reafirmado como a nossa maior vocação, ajudando a salvar a lavoura, gerar empregos e renda. Assegurar condições para que o produtor, especialmente o pequeno, possa desempenhar suas atividades é uma orientação do governador Geraldo Alckmin para a Pasta”, disse.

O estudo completo está disponível neste link.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário