quinta-feira, 3 de junho de 2021

COMUNICADO - Audiência com o Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Deputado Itamar Borges

A AGROESP, representada pelo seu Presidente e dois diretores, foi recebida pelo Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Deputado Itamar Borges e três membros de seu gabinete, no dia 1o de junho, logo após a sua posse. Na ocasião, foi entregue um ofício contendo uma breve análise dos projetos em andamento na CATI sob o ponto de vista dos técnicos executores, um resumo da proposta da AGROESP para a reestruturação da SAA e as principais demandas da categoria, destacando a equalização salarial com os especialistas ambientais e a chamada de novos Assistentes Agropecuários pelo concurso ainda em vigência.

O Secretário Itamar Borges abriu a reunião dizendo que fez questão que a AGROESP fosse a primeira entidade a ser recebida por ele e foi feita uma análise de todos os itens constantes no ofício, para a qual apresentamos um resumo;

Volta do nome ou da logomarca CATI – tem que ter muita cautela, visto que, apesar de ter havido a mudança do Secretário, o governo ainda é o mesmo.

Reestruturação da SAA: foi colocado que, no entendimento da AGROESP, o momento não é oportuno para uma reestruturação administrativa, porém se o governo assim o quiser, que seja analisada a proposta da AGROESP. Nos deram a entender que o processo terá continuidade e a proposta da Agroesp está sendo considerada, pois ela atende, em grande parte, as expectativas do governo.

Solicitamos que essa futura reestruturação valorize as funções dos técnicos executores das CAs e IDAs e não apenas os cargos e funções de diretores e assessores. Também propusemos que os cargos de coordenadores e diretores de departamento sejam privativos da carreira do Assistente Agropecuário. O Secretário deixou bem claro que seremos sempre consultados e que nada será feito à revelia da categoria.

Área ambiental: receberam com atenção e preocupação o problema dos Assistentes Agropecuários terem que responder ao Ministério Público e que irão buscar uma alternativa para resolver essa questão.

Equalização salarial: todos os aspectos relativos à questão salarial dos Assistentes Agropecuários foram colocados, e reivindicamos a retomada da negociação da equalização salarial com os especialistas ambientais e expusemos os motivos. O secretário disse que analisará a proposta e nos pediu um ofício, que entregamos a ele, em mãos, no dia seguinte (02/05) na SAA em Campinas.

Concurso: reivindicamos a chamada de novos técnicos do concurso remanescente e nos foi colocado que, se isso for acontecer, só poderá ser o ano que vem. Esse ano só poderão chamar as vagas dos candidatos que assumiram e pediram exoneração, em função da proibição do aumento dos custos devido à pandemia.

Trabalho Presencial – ressaltamos a necessidade da retomada do trabalho presencial, pois a sensação da sociedade é de abandono e os produtores rurais acham que o atendimento a eles pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento acabou. Nos deram a entender que isso será feito respeitando os protocolos de segurança e mediante alguns critérios. Também nos foi pedido um ofício e entregamos juntamente com o ofício da equalização salarial.

Foram discutidos também os seguintes projetos e ações de interesse da Secretaria de Agricultura e Abastecimento:

PAA – dois aspectos do projeto foram analisados: a redistribuição dos recursos dos municípios que não aderiram e facilitação da execução para os técnicos envolvidos. Colocamos também a necessidade de adequar o PPAIS, pois são utilizados recursos do orçamento, o que dificulta a formação dos preços a pagar pelos produtos.

Microbacias III - propusemos a retomada das negociações com o Banco Mundial do projeto Microbacias III, interrompidas no início do atual governo. FEAP – propusemos o retorno das linhas de financiamento voltadas para para os produtores rurais.

Organizações Produtores Rurais apoiadas pelo projeto Microbacias II

– expusemos a necessidade urgente de retomar o atendimento a essas organizações e que isso poderia ser feito por meio de parcerias com a FAESP/SENAR, SEBRAE e OCESP no que se refere a capacitações. E por meio do FEAP, promover o apoio financeiro que elas necessitarem.

Todas as propostas e reivindicações foram recebidas e debatidas com o Secretário e recebemos o compromisso de sua avaliação caso a caso.

O importante é que o Secretário fez questão de ressaltar que o diálogo está aberto, será duradouro, e doravante, a categoria continuará a ser ouvida.

Cumpre aqui esclarecer que, por um acordo feito com o presidente do Sindefesa, a Agroesp tratou das questões referentes à carreira do Assistente Agropecuário e da Instituição CATI (Extensão Rural). O Sindefesa, em reunião após a nossa, ficou de tratar das questões referentes à carreira de apoio e da Instituição CDA (Defesa Agropecuária).



SERGIO ROCHA LIMA DIEHL
PRESIDENTE

15 comentários:

  1. Trabalho presencial? Vocês estão de brincadeira, né?!

    ResponderExcluir
  2. Pelo menos, nos livramos do idiota anterior

    ResponderExcluir
  3. Trabalho de extensão rural não tem como não ser presencial, o produtor rural não parou de trabalhar, se eles estivessem trancados dentro de casa como nós estamos, toda a população estaria morrendo não de covid, mas sim de fome, voltar a trabalhar presencial é fundamental, nunca deveria ter parado, na mesa precisa de alimentos, então o produtor rural necessita continuar trabalhando, porque nós não.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns mais uma vez, batam o pé nas reinvidicações, o secretario é politico e como tal tende a empurrar com a barriga, sejam firmes e não aceitem barganhas, para que não continuemos a ser "vacas de presépio". Achei que faltou o aditivo para quem analisa CAR. Extensão rural tem que ser presencial sim.

    ResponderExcluir
  5. É incrível como não se pensam em servidores administrativos e de carreiras de apoio em situação alguma. Nenhum trabalho consegue ser executado e muito menos obter êxito se não contar com o braço administrativo. É tanta decepção!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A intenção é reivindicar para os servidores da carreira de apoio o mesmo percentual dos AA

      Excluir
    2. Pois é! Nós da carreira de apoio só somos lembrados quando precisam aumentar o caldo na hora de mendigar um reajuste no salário e nas campanhas eleitorais.
      Estamos há quantos anos com o salário congelado e tem um grupo que só pensa nos cargos, nos pró labores. Garanto que tem muitos colegas que já estão passando o chapéu. Precisamos é de dignidade.

      Excluir
  6. Parabéns Agroesp. Tenho certeza que todas as reinvindicações representam a vontade de nossa categoria.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns ao nosso Presidente e Diretores envolvidos. Toda nossa categoria funcional celebra esses momentos por tanto tempo aguardado. Abraço e nosso reconhecimento

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns à diretoria da AGROESP, nossa Organização nunca deixou de ser atuante e reivindicatória de seus direitos e à querida CATI (está adormecida mas não morta ! ).Vamos conseguir. As vias políticas são importantes nestes casos...

    ResponderExcluir
  10. Só espero que haja mudanças internas nos institutos da Apta, afinal a maioria dos diretores internos estão acomodados.

    ResponderExcluir
  11. O sr. Secretário fez boas escolhas em suas nomeações iniciais, somente foi infeliz ao nomear a frente do DGE uma senhora despreparada e arrogante(renata).

    ResponderExcluir
  12. Parabéns Agroesp.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelas atitudes tomadas. Estão mais combativos e sem medo de falar de propostas salariais logo no primeiro encontro com o Secretário. Falar e reivindicar não ofende ninguém. É melhor do que sofrer calado.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado em alguns instantes!