quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

A AGROESP E O DECRETO DE REESTRUTURAÇÃO DA SAA

    Prezado associado:

Em primeiro lugar quero lhe desejar um 2022 com muita paz, saúde e realizações.

Com muito orgulho estou assumindo a presidência da AGROESP para o biênio 2022/23 e espero, novamente, poder contar com a colaboração de todos no envio de sugestões e críticas, nas mobilizações, reuniões e demais atividades associativas.

Como deve ser de seu conhecimento, todos nós fomos surpreendidos pela publicação, em 31/12/2021, do decreto nº 66.417, de 30/12/2021, que Reorganiza a Secretaria de Agricultura e Abastecimento e dá providências correlatas, isto é o decreto da reestruturação da SAA/SP.

Essa reestruturação, motivo de discórdia desde a desastrada gestão do secretário anterior, foi mantida em banho-maria, sofreu pequenas modificações que, a nosso ver, mantiveram o escopo anterior; e tramitou na surdina dos altos gabinetes. Os escalões inferiores nunca tiveram acesso ao seu conteúdo integral e, muito menos a AGROESP, teve vistas à mesma. Desse modo consideramos que foi consolidada a nociva reestruturação proposta pelo secretário Gustavo Junqueira.

Consideramos que a assessoria de comunicação do gabinete da SAA/SP vem se utilizando de forma imprópria do termo "anuência da AGROESP" nos seus comunicados sobre o decreto supra citado, uma vez que nunca demos anuência qualquer a essa proposta.

Com a posse do atual secretário, em maio de 2021, no documento entregue: "AGENDA PROATIVA DE AÇÕES PARA EXTENSÃO A CURTO PRAZO", informamos que não éramos contra a reestruturação, porém que desejávamos conhecer melhor o projeto e tínhamos contribuições a dar para melhorar o serviço prestado ao público pelos assistentes agropecuários.

Em 01/10/2021, em Ribeirão Preto, entregamos em mãos ao secretário o ofício conjunto AGROESP/APQC/SINDEFESA, onde explicitamente solicitávamos audiência para tratar do assunto reestruturação, encontro que até hoje não ocorreu.

Em 19/11/2021, em Leme, tivemos uma conversa com o Secretário Itamar, onde colocamos verbalmente todos os nossos pontos de estrangulamento e necessidades e esse pediu que formalizássemos essa pauta para que fosse tratada em audiência com ele.

Em 14/12/2021, a AGROESP encaminhou ao Secretário da SAA/SP o ofício nº 17/2021, cujo inteiro teor segue anexo, onde pedimos que a proposta de reestruturação fosse abandonada, expondo nossos motivos. Também foi enviado ofício nº 18/2021, com igual teor, ao Vice-governador Rodrigo Garcia.

Em 16/12/2021 foi protocolado no gabinete da SAA/SP o ofício nº 20/2021 (anexo) onde é solicitada a revogação do decreto n.º 64.089, de 23 de janeiro de 2019, dispositivo legal responsável pela centralização orçamentária da SAA/SP.

Foi agendada audiência com o secretário Itamar Borges para o dia 23/12/2021 e cancelada na véspera e não remarcada até os dias de hoje.

Finalizando, a AGROESP tem ciência que esse decreto afeta particularmente seus associados da CATI e da CDA, com efeitos prejudiciais em sua maioria. Também reitera que a luta da entidade sempre foi com os objetivos da valorização das atividades fim e da descentralização orçamentária/financeira.

A nossa luta continua pela revisão de pontos discordantes do decreto e, principalmente pela realização de concursos e pela equalização salarial.

Campinas, 5 de janeiro de 2022


ENGº AGRº VICTOR BRANCO DE ARAUJO
AGROESP - Presidente


14 comentários:

  1. Mais um secretário mentiroso, com interesses eleitoreiros, mais um Jardim, Barros Munhoz, etc. Acordemos e mostremos nossa "satisfação" nas urnas.

    ResponderExcluir
  2. Precisam sim é escolher um deputado combativo que lute pelos servidores. Sugiro que falem com o deputado Carlos Giannazi, o único que publicou em seu facebook o repúdio pelo fechamento das casas da agricultura. Lembro também que se não tivermos reajustre salarial até abril desse ano eleitoral, passaremos mais 4 anos falando em vão. A história se repete há 10 anos e não vejo nenhuma força da categoria em conseguir o mínimo pleiteado nas dezenas de reuniões feitas ao longo dos anos.

    ResponderExcluir
  3. Que triste ver a SAA nessa situação! Orgulho de SP há mais de 100 anos.

    ResponderExcluir
  4. Lamentável tudo que vem acontecendo com nossa instituição e a forma como nossa carreira vem sendo sucateada.

    ResponderExcluir
  5. Infelsmente somos palco de capital político de secretários e representantes que trampulam no capital de esforço daqueles que tem princípios.

    ResponderExcluir
  6. Primeiramente desejo a vc. uma ótima gestão, se é possivel gerir alguma coisa boa com esse governinho FDP.
    Não conheço o teor da reforma, pois já não tenho mais paciência para a leitura de grandes textos, más pelo que entendi, acaba com as CAS e com nossa carreira.
    Se assim for, acredito que os aposentados estão condenados a morrer na miséria, pois além de não termos aumento a quase 7 anos e confiscarem parte do nosso salário, nunca mais teremos aumento. esto certo? abçs

    ResponderExcluir
  7. Pelo demonstrado, estamos sem representação política, que esteja mais próxima das tomadas de decisão.
    Sou assistente agropecupario VI, Entrei na CATI em 1977, sendo hoje aposentado.
    Sempre tivemos nas entidades representativas do setor agropecuária, tipo sociedade de produtores, cooperativas agropecuárias, etc. e até prefeitos municipais, os defensores da importância das nossas atividades.
    Se isto ainda é uma constatação, que tal trabalharmos politicamente juntos a essas entidades, buscando adesão a causa, identificar lideranças do setor que possam nos representar, e, de forma democrática, colocar todos nossos esforços (filiação partidária, criar uma massa crítica junto aos nossos familiares e juntos às nossas comunidades, onde pudermos atuar, para fazer deputados eleitos, que tenham como pauta, as nossas reivindicações.
    Fica aqui uma reflexão a respeito. Finalizando, políticos só respeitam quem gera VOTOS.

    ResponderExcluir
  8. É lamentável tudo isso......sem palavras.....iniciando 2022 dessa forma

    ResponderExcluir
  9. Todos os servidores da SAA/SP devem ser valorizados, não somente algumas carreiras. Um dos poucos deputados que tentou fazer alguma coisa em prol dos servidores foi o Carlos Giannazi.

    ResponderExcluir
  10. Existe um concurso em vigência, inclusive com algumas das respectivas vagas não preenchidas. Esse governo é um desastre total.

    ResponderExcluir
  11. Até quando vão ficar pedindo ajuda ao Barros Munhoz?? Nosso último reajuste foi em 2012. Não foi feito nada em nosso favor, só reuniões e promessas vazias. Se não mudarem de estratégia e se não mudarmos esse governo fajuto nada vai acontecer

    ResponderExcluir
  12. Pelo amor de Deus. Esqueçam Barros Munhoz. êle está com outras prioridades. Parecemos com a história do tratador que pode nos maltratar e é só dar um pouco de comida que ficamos junto dele. Aposentado então, sofre com esse PSDB algo jamais visto e tem muitos servidores que ainda votam nesse partido nefasto, acreditando em promessas que sabemos jamais serão cumpridas. Precisamos de uma interlocução forte com o governo, coisa que não temos. Itamar? Barros Munhoz? Afffff.....

    ResponderExcluir
  13. Primeiro desejo a Victor muita sorte e perspicácia na condução de seu novo tempo frente à AGROESP. Segundo, jamais a associação pode ser surpreendida.

    ResponderExcluir
  14. A verdade é uma só: Na primeira reunião sobre equiparação salarial ocorrida em Jaú, naquela época tínhamos o CAR e o LUPA na mão como contra partida. Optaram por diplomacia com o Sr. Arnaldo Jardim que usou a CATI como trampolim para se eleger e no final deu uma "banana" pra nós. Esse é o resultado de querer usar a DIPLOMACIA com políticos.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado em alguns instantes!