segunda-feira, 3 de julho de 2017

MOBILIZAÇÃO PERMANENTE VIII

Prezado associado:


Na última quinta feira, numa manhã muito movimentada, cheia de prefeitos no Palácio do Governo e nos gabinetes da Casa Civil, o assessor do Secretário Samuel Moreira, Engº Agrº Ricardo Viegas, prontamente nos recebeu mesmo que não tivéssemos agendado audiência. Na ocasião protocolamos novo ofício reiterando o pedido de reunião com o seu secretário para podermos concluir as tratativas iniciadas em março. Numa conversa muito franca ele nos informou sobre o momento por que passa o governo estadual, com a luta na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) para impedir a aprovação da chamada "PEC 5", que visa aumentar para cerca de trinta e dois mil reais o teto dos salários dos servidores. Segundo ele a PEC foi provocada por pedido dos agentes fiscais de renda do estado, em estado de greve, inconformados com sua "baixa" remuneração. Na ALESP apenas o deputado Barros Munhoz e mais dois outros colegas tem se posicionado contra a aprovação da PEC. Nesse caso, o deputado tem subido à tribuna e discursado favoravelmente ao atendimento do pleito dos assistentes agropecuários antes de qualquer outra medida que resulte em aumento da folha de pagamento do estado. Ele considerou muito positiva a atitude da diretoria da AGROESP de ir ao encontro do governo e buscar constantemente informações sobre o andamento do projeto e nos incentivou a continuar esse tipo de "pressão".

A seguir estivermos na ALESP onde fomos cordialmente recebidos pelo Deputado Barros Munhoz que, em breve conversa, nos afirmou que está tratando do nosso pleito, mas que devido ao fato de ter sido convocado naquele momento para ir ao Palácio do Governo, nossa audiência maior seria agendada para um novo dia. 

Aproveitando a viagem fomos para o gabinete do deputado Davi Zaia, onde o chefe de gabinete, senhor Dario, nos recebeu em uma conversa muito informal e nos colocou de maneira clara todos os problemas que estão ocorrendo naquela casa no atual momento.

Citou o problema da "PEC 5", da votação da Lei das Diretrizes Orçamentárias (LDO) e relacionou todos esses problemas com o represamento sistemático das emendas parlamentares por parte do governo. Em resumo a ALESP não está andando e os projetos do governo estão parados, afetando o clima para negociações salariais, principalmente devido à "PEC 5". Como agravante, a greve dos agentes fiscais de renda faz com que arrecadação estadual do ICMS caia, dificultando a realização de projeções de aumento salarial. O senhor Dario comprometeu-se a verificar o andamento de nosso projeto e, inclusive, a buscar junto à Secretaria de Planejamento e Gestão uma análise do impacto de nosso pleito face ao parcelamento proposto pela nossa Secretaria.

De todo modo, vamos aguardar o breve agendamento de reunião com o Deputado Barros Munhoz para, numa conversa mais longa, tratarmos das estratégias a serem  tomadas visando a consecução de nossos objetivos.

Campinas, 2 de julho de 2017


CONTINUEMOS NA LUTA MEUS COLEGAS!



VICTOR BRANCO DE ARAUJO
AGROESP - PRESIDENTE

10 comentários:

  1. Filme antigo, ou seja, já era, quero ver quem vai ter coragem de distribuir panfleto eleitoral desta turma...

    ResponderExcluir
  2. Prezado Victor,
    Entendo que temos que evoluir do lobby para a mobilização. O diálogo com a sociedade por meio de um release para os jornais e aulas públicas, assim como uma plenária na ALESP podem ser passos importantes rumo a uma mobilização de fato.
    Fraternalmente,
    Newton Rodrigues

    ResponderExcluir
  3. Torço para que tenham sucesso, mas tenho essa causa como perdida e eles tem meus votos como perdidos. Alias esse governo é miope se preocupa com fiscalização dos tributos mas não se importa com quem tem gerado esses tributos. Os agricultores e a cadeia agricola está sustentando SP e o que recebemos são apenas tapinhas nas costas e financiamento juro zero... muito pouco, melhor nada!!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns a Agroesp, mas na minha opinião já era, vão nos enrolar, infelizmente estamos a pé de secretário, fala que apoia, mas no fundo está fazendo política. Só se ele nem imagina o que aqui na linha de frente pensamos dele.......Arnaldo Jardim nunca mais, acha que fazemos fazer campanha para ele????? nunca.....aqui embaixo estamos com a paciência esgotada com este sujeito.......

    ResponderExcluir
  5. Prezado Victor, já adentrando julho e até o momento não se publicou comissão e critérios para promoção por mérito, já está valendo a legislação que suspende as progressões da carreira?

    ResponderExcluir
  6. Como sempre, eles enrolam... enrolam e não querem dar NADA, que é justo e merecido. O governador já está careca de saber sobre essa equiparação salarial. Não dá porque não quer. Esse tipo de política míope, tem que acabar. Não terão meus votos, nem apoio.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Victor, bom dia, continuamos sem informação acerca do processo de promoção por mérito? E quanto a reclassificação? Lembre se que no interior do Estado as informações são precarias,quando não desencontradas...

    ResponderExcluir
  8. Caro Victor, exitem novas reuniões marcadas para continuidade das conversas sobre a equiparação salarial? Qual a posição atual dos Secretários e Deputados que dizem apoiar esta causa? Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "As conversas vem sendo mantidas, sendo que neste mês de julho, devido ao recesso parlamentar, não avançamos em reuniões na ALESP.
      Nessa semana teremos reunião no gabinete do secretário e vários eventos do dia do agricultor no interior do estado onde nossos associados farão pressão junto às autoridades presentes.
      Na sexta irei a Ourinhos em um desses eventos."

      Att.
      Victor

      Excluir