sexta-feira, 11 de outubro de 2019

CARTA ABERTA DE REPÚDIO


A Associação dos Assistentes Agropecuários do Estado de São Paulo (AGROESP), entidade que representa engenheiros agrônomos, médicos veterinários e zootecnistas que desempenham as suas funções na Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA) e em outro órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, vem a público divulgar a CARTA DE REPÚDIO, conforme segue:

O Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Gustavo Diniz Junqueira, em reunião do Conselho Superior do Agronegócio da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (COSAG/FIESP), conforme amplamente divulgado em um em vídeo, adjetivou a Defesa Agropecuária como um “entulho institucional” e, posteriormente, ao tentar se retratar, voltou a denegrir esta entidade, tratando-a como um “entrave burocrático”.

Essas manifestações do Secretário de Agricultura e Abastecimento demonstram cabalmente o seu desconhecimento em relação aos serviços que a sua pasta executa, principalmente como funciona um órgão de Defesa Agropecuária. A CDA e seus servidores não são um “entravepara o agronegócio porque FAZEM PARTE dele.

Um órgão de Defesa Agropecuária, em sua essência, existe para viabilizar e trazer segurança sanitária e fitossanitária para a produção, o comércio e o consumo de bens agropecuários. A Defesa de São Paulo sozinha garante isso em 18% do PIB do país, valor este que representa o agronegócio Paulista no Brasil. Somos o maior exportador de carne, suco de laranja e açúcar, sem contar o segundo maior mercado de plantas ornamentais fora da Holanda. Tudo isso só é possível graças ao trabalho dos mais de 700 servidores da CDA, acrescidos de 3.000 engenheiros agrônomos e médicos veterinários por ela habilitados e, principalmente, ao produtor rural de São Paulo.

O Secretário, ao comparar a Defesa Agropecuária a “entulho”, o faz ao próprio AGRO paulista. A Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo vem trabalhando com o AGRO há mais de 120 anos, se reinventando sempre para atender aos anseios da população e principalmente ao AGRONEGÓCIO paulista. E ao classificá-la como “entrave burocrático” põe em xeque todo um sistema que visa garantir a qualidade dos produtos agropecuários aos consumidores brasileiros e estrangeiros, e pode colocar em risco as exportações de produtos agropecuários.

Considere que o Governo de São Paulo tem nos Assistentes Agropecuários os melhores profissionais que um órgão de Defesa pode ter. Profissionais com formação nas melhores universidades do país, muitos deles com especializações, mestrado e doutorado, que estão sempre dispostos a achar a melhor solução para atender, dentro das normas estabelecidas, as demandas que lhes são trazidas. Basta deixá-los fazer o que fazem de melhor, o trabalho de DEFESA AGROPECUÁRIA.

Temos a certeza de que o Governador João Dória não comunga com estas convicções do senhor Gustavo Diniz Junqueira, referentes à Defesa Agropecuária, bem porque os Assistentes Agropecuários da Coordenadoria de Defesa Agropecuária estão à sua disposição para aprimorar cada vez mais este trabalho em benefício do AGRO Paulista
Para concluir, entendemos que os Assistentes Agropecuários da CDA e a própria Instituição devam ser tratados com o respeito pertinente a quem ocupa um cargo público da magnitude de um Secretário de Estado do Governo de São Paulo.

Campinas, 10 de outubro de 2019


Eng.º Agr.º Sergio Rocha Lima Diehl
Presidente

17 comentários:

  1. Colhemos o que plantamos. Os Assistentes Agropecuários deveriam saber disto já que somos do ramo agropecuário.

    ResponderExcluir
  2. Defesa sanitária é mais que fundamental na agro industria e afins,mas importante salientar que os fiscais da mesma devem atuar em uma forma de parceria com os empresários, como fiz parte durante anos deste processo com o primeiro frigorifico de ovinos e caprinos do Estado de São Paulo, quero advertir que alguns fiscais atuam de forma que em sua maioria das vezes não contribui com a cadeia e sim a prejudica pedindo coisas esdruchulas querendo assim impor sua vontade,mesmo que não seja de forma alguma razoavel. Vai a minha critica,principalmente a nova geração de fiscais,os das antigas contribuiam,informavam e realmente ajudavam de forma positiva. Fiscalizar,informar e não tentar prejudicar.Forte abraço, menos multas e mais informaçaõ e parceria.

    ResponderExcluir
  3. Meus parabéns Sr. Presidente da AGROESP.
    Continuem resistindo aos aventureiros mal intencionados.
    Forte abraço.

    Verino.


    ResponderExcluir
  4. Infelizmente um pirralho mimado que não sabe o que diz, vem denegrir o trabalho de anos, de uma equipe extremamente dedicada ao Agro Paulista. Se tiver um mínimo de dignidade pede pra sair. Aqui você não tem mais vez. Que sirva de exemplo que a Secretaria de Agricultura precisa de estadistas na pasta e não oportunistas

    ResponderExcluir
  5. A desvalorização não está apenas nas palavras ditas, está principalmente na falta de reconhecimento de uma classe que está há 6 anos sem reajuste salarial. Não repassam nem a inflação acumulada. É o pagamento zero para o entulho, que não vale nada.

    ResponderExcluir
  6. Quem sabe as coisas nao começam a mudar em 2023 no novo governo?

    ResponderExcluir
  7. A visão estreita não lhe permite ocupar o cargo de Secretário da Agricultura do Estado de São Paulo.

    ResponderExcluir
  8. 3000 asistentes nao serão uteis para ele disputar a próxima eleicao p presidencia da republica. Esqueçam....o único interesse do Doria agora é PRESIDENCIA! Quem somos nos........

    ResponderExcluir
  9. Nem o Picolé de Chuchu, nem o Riquinho Rico se interessam pela classe. O que foi dito pelo Secretário é a grande verdade que todos já sabiam: nenhuma das reivindicações dos últimos 6 anos foram atendidas. Quem vai escutar o entulho que só estorva? Fim da linha, vergonha total.

    ResponderExcluir
  10. É lamentável ver que pessoas incompetentes assumem cargos que são apenas oportunistas, coisas de uma verdadeira ditadura onde o direito de resposta não existe. O senhor governador também deve saber bem que não deve ser apenas uma "maria vai com as outras" e estudar antes de fazer um desmonte desta natureza. Acho que devemos recorrer ao governo federal, ao senhor presidente da república, à Embrapa para que nos deem apoio para reverter essa situação. Isto é inadimissível...

    ResponderExcluir
  11. Será que esses "Gestores", imaginam que conseguem fazer alguma coisa na sua administração, se isso não for executado pelos seus "entulhos"? Nós como entulho só conseguimos fazer um bom trabalhos se os dirigentes nos tratarem com respeito e derem condições para isso. Quero ver no final de seu mandato o que irão conseguir de bom para a população do Estado, tratando assim seus colaboradores?

    ResponderExcluir
  12. A que ponto chegamos como instituição, estamos vivendo na era do medo, não conseguimos discutir cara a cara como uma grande família junto aos nossos representantes.

    ResponderExcluir
  13. Antes mesmo de ingressar no curso de agronomia eu já tinha em mente a CATI, a referencia na área da agricultura e pecuária; ali estavam os melhores profissionais das ciências agrarias. Me formei, e assim que tive oportunidade prestei o concurso e ingressei na tão sonhada instituição. Hoje me sinto desmotivado, desamparado e sem nenhuma perspectiva, pois, o que aconteceu com a EX-CATI foi um ato de autoritarismo puro. Vejo que não temos valor algum para essa nova gestão e mesmo assim aceitamos tudo, ou seja, tudo é " empurrado" pra nós e nós aceitamos sem questionar. E nosso salário?? Lembram da equiparação? Pois é....Então por essas e outras razões, aquele que tiver outra oportunidade não perca tempo,pois, aquela luzinha no fim do túnel pelo visto já era. Grande abraço a todos o sobreviventes. Saúde e paz!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns ao Secretário da Agricultura. A defesa agropecuária é sim um entulho, ao invés de trabalharem junto ao agricultor, orientando, ajudando-o a tomar as medidas sanitárias exigidas pela lei e somente em último caso aplicar as penalidades, tratam-no como um marginal, vão nas propriedades rurais com truculência, soberba, só faltam irem armados e com algemas.
    Mais uma vez parabéns secretário e continuem firme no propósito de libertar a agricultura desses entulhos burocráticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Acho que a PM, a lava-jato, a vigilância sanitária deveriam fazer o mesmo: ao perceber uma irregularidade, deveria orientar e nao fazer nada.
      Acho uma tremenda falta de respeito com todos os cidadãos ser autuado pela Receita por cometer atos não permitidos pela lei. Esses sangue-sugas deveriam apenas orientar.

      Excluir
    3. Típico pensamento da defesa. Misturar PM Lava Jato receita e afins! Jesuis!!! Mais uma prova que o secretário está corretíssimo.

      Excluir