quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Reunião do Grupo de trabalho marca início da atualização do Lupa 2016/2017


O secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, se reuniu, no dia 8 de agosto de 2016, com membros do Grupo de Trabalho que fará a atualização da base de dados do Levantamento Censitário das Unidades Agropecuárias do Estado de São Paulo (Lupa), no ano agrícola 2016-2017, para debater ações estratégicas da atividade. 

Essa foi a primeira reunião, desde que o grupo, formado por funcionários da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) e do Instituto de Economia Agrícola (IEA) foi criado, por meio da Resolução SAA nº 48, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, no dia 30 de julho de 2016. 

De acordo com o secretário Arnaldo Jardim, com o novo levantamento, o Estado de São Paulo fornecerá um amplo quadro da agropecuária paulista, retratando as áreas dos estabelecimentos rurais, ocupação do solo, as tecnologias empregadas numa investigação de como vive o agricultor, incluindo grau de instrução e o acesso aos programas do Governo do Estado. 

“A atualização do Lupa garantirá mais agilidade e precisão para atender as diretrizes do governador Geraldo Alckmin: apoio ao pequeno produtor e à agricultura familiar; saudabilidade dos alimentos; incentivo à pesquisa e ao conhecimento, e agricultura harmônica com o meio ambiente”, disse Arnaldo Jardim. 

Durante a reunião, os membros do grupo de trabalho explicaram como será feito o Censo agropecuário paulista. O engenheiro agrônomo da Secretaria, que atua na Cati, Antônio José Torres, afirmou que a nova etapa do Lupa foi planejada estrategicamente para coincidir com o início do ano agrícola, para medir o resultado final da última safra. “Isso nos possibilitará fazer um comparativo entre os anos agrícolas, além de possibilitar uma retratação mais precisa”, disse. 

Tecnologia agregada 

A novidade para esse ano será a utilização de Personal Digital Assistants (PDA), que são computadores de dimensões reduzidas que atuam como organizadores eletrônicos ou agendas portáteis de planejamento diário capazes de compartilhar informações com computadores. Esses aparelhos carregarão informações anteriores, que serão atualizadas, em tempo real, pelos técnicos da Cati. 

De acordo com o coordenador do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável – Microbacias II – Acesso ao Mercado, João Brunelli Junior, a Cati adquiriu 650 aparelhos com recursos do projeto. “Os PDAs serão distribuídos entre os 40 Escritórios de Desenvolvimento Rural (EDR) para que sejam feitas as apurações”, disse. 

Esse recurso tecnológico, de acordo com Brunelli, possibilitará maior confiabilidade na apuração das informações, que serão criptografadas e enviadas para uma base de dados da Coordenadoria para fazer a depuração e consolidação das estatísticas junto ao IEA. “Essa relação de confiança entre o produtor rural e técnicos extensionistas da Secretaria garante maior agilidade e precisão na busca das informações das Unidades de Produção Agropecuária (UPAs)”, comentou. 

Outra novidade tecnológica será o acompanhamento, em tempo real, das etapas. Conforme os técnicos enviam as informações à Cati, o sistema fará a atualização por EDR. Assim, os extensionistas poderão fazer uma determinada área de atuação e ter uma previsão do andamento do processo”, comentou Torres. 

Cada um dos 40 EDRs terá um coordenador para gerenciar as atividades de sua respectiva região, equipes, recursos, e atualização semanal das informações. 

O Lupa 

O anúncio da atualização do Censo agropecuário paulista foi feito pelo governador do Estado, Geraldo Alckmin, no dia 28 de julho de 2016, aproveitando o evento em celebração ao Dia do Agricultor, em Adamantina. Na oportunidade, o governador determinou que a Secretaria de Agricultura e Abastecimento baixasse a resolução nº 49, publicada no Diário Oficial, no dia 30, para que o levantamento fosse iniciado no dia 1º de agosto de 2016, quando começou o ano safra. 

O Lupa é uma fotografia do momento da agricultura e pecuária paulista. Sua pesquisa abrange diversas áreas do setor. Com os resultados, é possível fazer um planejamento, corrigindo falhas, fornecendo informações sobre novas tecnologias, passando por questões econômicas, como preço dos alimentos e balança comercial, além de abordar temas relacionados à sustentabilidade, como o Cadastro Ambiental Rural (CAR), por exemplo, até a agricultura familiar. 

Além disso, o levantamento implicará na adoção de critérios para a distribuição do ICMS entre os municípios, assim como desenvolver políticas públicas voltadas ao planejamento, ao financiamento e ao seguro da produção e constituir a base nas políticas agrícolas do Estado. 

O Lupa está na sua terceira edição e será realizado entre agosto de 2016 e julho de 2017. Esse ciclo agrícola é diferente do ano civil. Ele começa em agosto, quando se inicia o plantio. 

A última edição do Censo Nacional foi realizada em 2006. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adiou a realização do Censo Agropecuário, previsto até então para 2017, por causa de cortes em seu orçamento determinado pela presidente afastada, Dilma Rousseff. A Lei Orçamentária Anual (LOA), aprovada pelo Congresso Nacional, reduziu o montante de R$ 330,8 milhões, necessários para essa primeira etapa, para R$ 226,8 milhões.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário