sexta-feira, 20 de maio de 2016

Boa relação dos técnicos da CATI com os produtores garante bons resultados no preenchimento do CAR

A campanha pela adesão dos produtores paulistas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR), feita pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, foi um sucesso devido ao bom relacionamento entre eles e os técnicos da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI) da Pasta. Os “catianos” se mobilizaram e organizaram uma força-tarefa, trabalhando inclusive aos fins de semana e em horário estendido para dar conta do recado.

De acordo com Mauro Castellani, diretor do Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) de Sorocaba, região que conseguiu excelentes resultados, a parceria com as prefeituras e os plantões para tirar dúvidas dos técnicos foram fundamentais. Todas as propriedades rurais indicadas pelo Levantamento Censitário das Unidades de Produção Agropecuária do Estado de São Paulo (Lupa) foram cadastradas.

Não menos expressivos foram os resultados obtidos pelo EDR de Bragança Paulista. Rodrigo da Silva Binotti, diretor da Casa da Agricultura de Socorro, município da região que atingiu 100% de imóveis rurais cadastrados, credita o sucesso à divulgação maciça, por meio das rádios e jornais locais, e à parceria com entidades do setor, como o Sindicato Rural. “A Casa da Agricultura sempre foi bem movimentada e, quando anunciamos a necessidade de regularização do CAR, o pessoal começou a nos procurar”, explicou.

São Paulo é o EDR que congrega o maior número de municípios, mesmo assim, os técnicos da Cati conseguiram cadastrar os 2589 imóveis rurais que compõem a região. De acordo com Dayla Ribeiro Ciâncio, diretora do EDR, para conseguir esse resultado consistente, foram capacitados os funcionários e os técnicos que atuam nas Casas da Agricultura da região. “O Céu Parelheiros é um espaço de apoio à comunidade e nós o utilizamos como ponto de apoio para os mutirões. Todos se mobilizaram. Integramos esforços em prol dessa finalidade. Dá prazer trabalhar assim”, comentou Dayla Ribeiro Ciâncio, que aproveitou para agradecer o empenho de sua equipe.

Os profissionais da CATI são muito dedicados e reconhecidos como “anjos da guarda” pelos produtores rurais, conforme destaca Jesus Donizete Minatel, cafeicultor e professor da Escola Agrícola do Município de Torrinha. “O pessoal faz um excelente trabalho, e nós podemos afirmar isso porque conhecemos alguns deles desde pequenos. Existem muitas oportunidades surgindo e a Secretaria de Agricultura precisa fomentar mais”, destacou. 

Com o trabalho cumprido, novos desafios surgem no horizonte. Concluído o esforço para regularização do CAR, os técnicos da Cati agora se concentrarão em demonstrar ao produtor a importância de aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), que possibilitará a restauração de mais de um milhão de hectares de áreas degradadas ou alteradas, ampliando a área de vegetação nativa existente nas propriedades e imóveis rurais paulistas, de acordo com as regras estabelecidas pelo novo Código Florestal.

O programa se insere em uma das prioridades indicadas por Arnaldo Jardim para estruturar sua gestão: a interface da Agricultura com o Meio Ambiente. “Produzir sem preservar se tornou algo impensável em território paulista, seguimos a tendência mundial de cuidar do planeta em que vivemos e nos preocupar com o impacto que geramos na Terra”, comentou o secretário.

Fonte:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário